O futuro dos softwares de projeto

O futuro dos softwares de projeto

O mercado de software

Com o passar do tempo a dependência dos softwares foi crescendo e a tendência é irreversível. Imaginem, houve quem achou que as “telinhas” jamais substituiriam as pranchetas. Lembro de projetistas certos de que nunca migrariam para um computador, afinal “aquilo não era fazer projeto“.

No mercado de software para engenharia, grandes empresas tem comprado concorrentes e deixado nosso mercado com menos opções. Isso me preocupa, e você deveria se preocupar também. Vejo com bons olhos os fóruns de BIM ao redor do mundo que brigam para assegurar padrões neutros para manter a concorrência aberta. Isto é inclusive um dos objetivos do Fórum Bim Brasil!

Se quiser saber mais sobre os softwares atuais no mercado e um comparativo de custo e produtividade, veja nosso artigo sobre os softwares de detalhamento.

Por que a concorrência é boa para todos?

Por mais óbvio que seja, preciso enfatizar o quanto ganhamos aumentando a concorrência. O ganho não é apenas no custo, que na minha opinião, é exorbitante. Ganhamos em alternativas, qualidade, assistência técnica, treinamentos e mais opções de trabalho.

Tenho insistido na pergunta: Faz sentido você pagar por um software, mais do que vai ganhar no projeto? Não faz, obviamente. Mas o erro está no software que é caro, no seu projeto que é barato, ou você está usando a ferramenta errada?

Se você precisa do carro para deixar o filho na escola e ir para o trabalho diariamente, que carro você escolheria? Que tal um Porsche? Ótimo! Mas e se o custo do Porsche ficar maior do que o seu ganho? O que você deve fazer?

A visão do usuário e a visão do empresário

Vamos voltar ao Porsche? Você tem um escritório de projeto e quer ser mais lucrativo. Então você propõe para sua equipe substituir os Porches por carros mais econômicos. O que você espera que aconteça?

Se sua decisão depende apenas da avaliação da equipe, qual será a decisão? É difícil decidir entre deixar a equipe feliz dirigindo Porches ou fazer a empresa ganhar dinheiro com eles dirigindo outros carros?

Como vai ser daqui a dez anos?

De que adianta querer prever o mercado em dez anos? Bom, quanto mais sua previsão estiver correta e mais você usá-la para se preparar para o mercado de amanhã, maior será a sua vantagem.

O Bim vai dar certo?

O BIM vai dar certo? Sim, mas em dez anos ainda estaremos em transição. Será preciso toda uma nova geração para vir das escolas com mais disposição e abertura para o novo. Enfrentaremos muita resistência no mercado privado e muita burocracia e lentidão nos órgão públicos.

O que vai acontecer com o uso ilegal de programas

O uso ilegal de softwares será praticamente impossível. O mercado paralelo de projetos terá que encontrar alternativas ou ajustar seus preços e se legalizar. O que é muito bom, será um mercado mais justo.

Haverá um monopólio dos grandes softwares?

Se houver vai ser ruim para o mercado. Pessoalmente tenho esperança na diversidade de opções e na quebra de monopólios. Os monopólios, sejam quais forem (mídia, redes sociais, etc.), prejudicam o interesse comum.

Nós na Techsteel, estamos lutando pela existência de alternativas, só por isso colocamos no mercado o TSteel 3D, que poderia ter ficado como uma vantagem competitiva interna.

Como você pode ajudar o seu mercado? Pense a respeito.

A oportunidade disfarçada

Pra terminar, uma reflexão sobre a nossa necessidade de inovar. Vou usar um trecho do livro do Carlos Domingos : “Oportunidades Disfarçadas”.

Alguns temem o novo
Porque ele ameaça o estabelecido, contesta as convenções
Desafia as regras
Alguns evitam o novo
Porque ele traz insegurança, estimula experimento,
Convida à reflexão
Alguns fogem do novo
Porque ele nos retira da confortável posição de autoridades
E nos obriga a reaprender
Alguns zombam do novo
Porque ele é frágil, não foi consagrado pelo uso
Mas essas pessoas se esquecem que tudo o que hoje é consagrado
Um dia já foi novo
Alguns combatem o novo
Porque ele contraria interesses, desafia os paradigmas,
não respeita o ego, despreza o status quo
Mas tudo isso é inútil
Porque a história da humanidade mostra
Que o novo sempre vem
Por isso, recicle seus pensamentos, reveja seus pontos de vista
Atualiza suas fórmulas, seus métodos, suas armas
Senão você será sempre um grande profissional
Um sujeito muito preparado para lutar numa guerra que já acabou.

Carlos Domingos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *